quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Oceano

Quero navegar.
Zarpar, me libertar.
A terra que meus olhos dizem ser firme
não mais me sustenta, me parece instável.
Lembranças e memórias já não me seguram,
e as certezas terrenas não me convencem mais.
Sinto o Mar a me chamar.

O Oceano, que ao se rebaixar
a todos, a todos atrai,
do regato diminuto ao grande rio...
O Oceano, que sob seu ondeado,
guarda os maiores tesouros,
em absurdas profundezas.
O Oceano, a quem vi o Astro-Rei
prestar reverência,em um belo alvorecer.

Não me contento mais com as praias,
nem com a costa,
e tampouco com a superfície.
Quero com meu humilde barco
ser novato marinheiro,
a desvendar os segredos da Imensidão.

Quero viajar em Tuas águas,
e desvendar o Teu mistério,
clareando assim o meu,
pois em verdade sei que são um só.
Quero ver na luz da Realidade
que a vida e a morte
são apenas ondas que vão e vêm,
em inlimitável extensão.

Quero ser fiel marujo,
e aprender a não mais temer
tempestades e dilúvios,
sabendo que tudo é a mesma Água em outra forma.
Quero ver a Vida em longos mergulhos,
onde meu sentir me guiará,
em marés infinitas
que meus olhos não conseguirão vislumbrar.

Quero tocar a Profundidade,
e ancorar-me em firmes torrentes.
Quero ser ensinado pelo Saber a deslumbrar
a Infinidade com a alma.
Quero me banhar e tirar
as falsas crenças de minha visão.
Quero intuir e sentir Teu fluido, o Ser e o Viver.

E um dia, com a experiência de uma vida,
mas ainda como eterno aprendiz,
espero poder dizer a quem quiser ouvir,
sobre a sede que se mata no Mar.
E a quem quiser mais saber,
direi que És Infinito e Indizível.
Que És o Infindável, o Perfeito Oceano.

Só peço, Mar, que me deixes navegar,
navegar e navegar...
Foto: 'Waipapa Point' - Jens Waldenmaier
PS. Poema 'à moda antiga', mais um da série 'hoje não escreveria'. Via Maltese, julho/08.

Um comentário:

Le Graib disse...

Excelente o poema. Esse menino é bom!!!